32ª Feira do livro de Brasília + Vamos falar sobre BTOOOM!


Olá, pessoinhas! Como estão? Espero que bem. Só eu estou achando que os dias estão passando rápido? ._. Essa semana tive como objetivo colocar as séries em dia. Resolvi parar de ficar enrolando e fui então terminar logo as temporadas que eu estava acompanhando. Consegui fechar a temporada de 3 séries, mas ainda falta assistir:
  • 4ª Temporada de House of Cards
  • 4ª Temporada de Vikings
  • 4ª Temporada de Orphan Black
  • 3ª Temporada de Hannibal
  • 12ª Temporada de Grey's Anatomy
Vida social para que, né, meus amores?! Espero que essa semana dê para fechar a temporada de pelo menos mais uma. \o/
Bom, vamos ao post de hoje! 

Domingo passado, 17 de Junho, eu fui na 32ª Feira do Livro de Brasília, que ocorreu no Centro de Convenções Ulisses Guimarães. Eu não tirei muitas fotinhas do evento pelos motivos de: 1 – Preguiça; 2 – Vergonha, huashuash. Mas estou aqui para comentar um pouquinho sobre o evento.

Eu querendo comprar livros, mas sem money
Havia muitos estandes, como Saraiva, Leitura, Editora Vozes, Editora Global, Editora Ática, entre outras. Havia livros de todos os tipos para agradar todos os gostos. Aquilo era um paraíso para leitores, dava vontade de pegar tudo e sair lendo. Encontrei uns bem interessantes, inclusive um de receitas de Game of Thrones (se eu quis comprar? IMAGINA).
Por ser uma feira do livro, eu realmente esperava que tivessem livros com um precinho camarada. Mas, pelo que percebi, os preços estavam a mesma coisa de sempre. Gostaria até de dizer aqui que É HORRÍVEL SER POBRE E NÃO PODER COMPRAR TODOS AQUELES LIVROS COM CAPAS TÃO LINDAS QUE É DE DEIXAR O QUEIXO CAIR NO NÚCLEO DA TERRA. ~tenho uma queda enorme por livro de capa dura~ Tinha um lá de Star Wars, chamado “Livro dos Sith”, que, MINHA NOSSA, era lindo por dentro e por fora.

Perdoem a qualidade da foto
O evento não contou apenas com os estandes de livros, mas também com vários bate-papos literários - com escritores, professores da UnB, etc - recitação de poemas, entre outras coisas. Cheguei um pouco tarde então a única "conversa literária" que assisti foi a com o escritor brasileiro Maurício Gomyde, que estava falando sobre “Parcerias literárias: relacionamento entre blogueiro e autor”.  Foi bem interessante. O Maurício falou de diversas coisas, inclusive comentou que ele manda os livros para seus parceiros de blog e aceita tanto as críticas positivas, como também as negativas. E sempre procura deixar um comentário nas resenhas que fazem de seus livros (se algum dia eu fizer resenha de livro brasileiro aqui, adoraria que o autor comentasse na minha postagem e.e). Durante a conversa, ele também comentou um ponto, um tanto que delicado, sobre quando o autor/editora paga (através de mídia kit) pela divulgação e/ou resenha do livro que eles enviam para esses blogs ou canais do Youtube populares, e o blogueiro/booktuber faz uma crítica negativa (às vezes, até detonando o livro). Isso é um tanto que complicado, pois quem paga para divulgar não vai querer fazer uma propaganda negativa para o que está oferecendo. E quem divulga, não vai querer falar mil maravilhas daquilo que não gostou.
De qualquer forma, foi muito bom e no final ganhamos vários marcadores dos livros do Maurício. ~OBAAA~ \o/ Vejam abaixo:

Marcadores dos livros: Surpreende, O Mundo de Vidro, A Máquina de Contar Histórias, O Rosto que Precede o Sonho, Ainda Não te Disse Nada
Acho que vou começar a colecionar marcadores de livros, ao invés de figures. Meu bolso agradece. o/ Mentira, não vou conseguir deixar de colecionar figures. Aliás, nunca comentei aqui, mas um dos meus hobbys é colecionar figures. A maioria são de animes. Tem de Death Note, Sailor Moon, Trigun, Evangelion... Um dia eu tomo coragem de fotografar essas belezinhas e trazer aqui.

Em um dos estandes, uma senhora muito simpática – e que parecia ter lido todos os livros de lá – me deu o primeiro capítulo do livro Obsidiana, da Saga Lux. Antes de mais nada, tenho que comentar algo com vocês... Desculpe-me quem gosta, mas acho feinho livro com gente na capa, HUASHUASH. Tem uns até que vai, mas sempre que tem um livro onde temos que escolher entre a versão com a capa original e a versão com a capa do filme, por exemplo, adivinhem qual eu escolho ever? Sim, essa mesma. Ah! Sei lá, não consigo gostar. T_T
Então, pelo que li na sinopse, o livro é um romance sobrenatural. Não é bem o tipo de história que me atrai, mas lerei esse capítulo para ter uma ideia de como é.
Quem quiser dar uma olhada na programação completa do evento para ter uma ideia do que teve lá, é só clicar aqui.

Bom, agora vamos falar de BTOOOM! Na verdade, a postagem de hoje seria sobre esse anime, mas como fui para a feira do livro, quis comentar também sobre o evento. E como faço apenas uma postagem por semana, resolvi falar sobre essas duas coisas aqui hoje.
Nunca falei em uma postagem, mas meus gêneros favoritos de anime é suspense, psicológico e mistério. Há um tempo atrás estava a procura de um anime do gênero psicológico e como havia lido algumas resenhas de BTOOOM! (que é classificado no MyAnimeList como ação, Sci-Fi e psicológico) resolvi assistir por ser curto (12 episódios).


A história é a seguinte. O personagem Ryouta Sakamoto é um desempregado de 22 anos que mora com a mãe. Ele é um jogador de um jogo conhecido como BTOOOM! e está entre os melhores do Japão, além de ser o único jogador japonês no Top 10 do ranking mundial. Um dia ele acorda em uma ilha deserta, sem lembrar de nada do que aconteceu anteriormente e tão pouco sobre como chegou naquela ilha. Em seguida ele encontra um estranho e tenta falar com o mesmo, mas antes mesmo que Ryouta se aproxime mais, o estranho o ataca lançando uma bomba com intuí-to de matá-lo. Logo o protagonista percebe que está em uma versão real de seu jogo preferido e a partir disso terá que lutar para sobreviver e descobrir o porquê disso tudo estar acontecendo. 

Sobre o jogo

Ryouta utilizando a joia para localizar outros jogadores.
Como os personagens deixados na ilha "jogarão" um jogo baseado em BTOOOM!, as regras do jogo online são aplicadas na ilha. Cada jogador recebe uma bolsa com 8 Bins, aproximadamente, e tem uma joia implantada em sua mão. Essas bins são bombas que os personagens utilizarão para lutar pela sobrevivência na ilha. Existem cerca de 8 tipos diferentes (se me lembro bem). Há bombas de tempo, de impacto, de gás, teleguiadas e por aí vai. A joia inserida na mão serve como rastreadores. Ao usa-la, é possível identificar aonde estão os outros jogadores - exceto no caso do jogador estar imóvel. Para sair da ilha, os jogadores devem juntar 7 joias de outros jogadores e o modo de as conseguir é matando o individuo que a possui. 

Alguns personagens:

Coloquei apenas os personagens que tem um destaque maior, além do Ryouta e da Himiko.

O anime é o típico jogo de sobrevivência. Pessoas são jogadas em uma ilha, onde simplesmente terão que matar para poder sobreviver e escapar daquele lugar. No entanto, os personagens não são simplesmente jogados na ilha sem motivos. É explicado – no decorrer dos episódios – o porquê dos personagens estarem lá e, a partir disso, o Ryouta começa a entender o motivo de ele estar ali também, até porque ele vai recuperando a memória e começa a ligar alguns fatos. Além disso, os acontecimentos do anime não se prendem apenas à ilha. Conforme vemos os personagens lutando para sair daquele lugar, também vemos como era a vida do Ryouta dentro do jogo online, pois aquilo não era um simples jogo para ele. 
As cenas de ação foram boas, mas acredito que o ponto forte do anime são as estratégias que os jogadores usam para se manterem vivos.  O character design é bonito e a opennig "No pain, No game" é realmente muito boa. Abaixo deixarei um vídeo com as duas aberturas, pois não consegui achar a primeira em uma qualidade aceitável. "No pain, No Game" é a primeira mostrada no vídeo.


Agora falando em história, foi um pouco fraca. Não foi algo que realmente me agradou. Os personagens não tiveram um bom desenvolvimento, ao meu ver. A Himiko, por exemplo, foi uma personagem mal construída. Devido acontecimentos do passado, ela não confia em homens. Então, o que eu esperava? Uma garota independente que, por ter essa desconfiança com o sexo oposto, se tornaria forte para se defender sozinha e que lutaria como qualquer outro para se manter viva na ilha. Mas, às vezes, parecia que ela estava ali só para fazer a "donzela em perigo", enquanto que o Ryouta seria o "príncipe gentil" que aparece para proteger a moça. Não estou dizendo que não houve cenas em que ela conseguiu lutar sozinha. Tiveram sim, mas houve também cenas que dava essa impressão. Rola um romance entre o protagonista e ela, mas não achei lá grande coisa, rs.
Muitos jogadores que poderiam ter sido bem explorados, como o Nobutaka Oda, não o foram. O anime não tem final. Terminou o ultimo episódio e eu fiquei: "QUE?". Vejo pessoas dizendo que o mangá é melhor. Inclusive, indicam o mangá após terminar o anime (para entender melhor a história, conhecer melhor os personagens, até porque não sei quantos capítulos do mangá foram adaptados). Mas, como não é o tipo de história que atraí muito a minha atenção, vou ficar só no anime mesmo e falo aqui exclusivamente dele. Lembrando que o que falo aqui é opinião pessoal, é o que eu achei.

Confesso que assisti não tanto pelo enredo, mas por esperar uma boa abordagem psicológica dos personagens envolvidos, mas nesse quesito acabei me decepcionando. Acredito que se o anime tivesse mais episódios, a trama poderia ter sido melhor desenvolvida. Mas para quem gosta de animes de sobrevivência, pode até gostar desse, até porque opiniões divergem.  

Nota: 5/10 (entenda as avaliações

Fico por aqui. Fiquem com essa imagenzinha do Kougami que encontrei salva no PC.


Até a próxima! 
キス

4 comentários:

  1. Oláá, dona Smoak! o/

    Nossa, quanta série! Huhasuhaush eu costumo assistir só uma coisa de cada vez, por isso gosto de assistir coisas que já terminaram. Tipo, agora estou vendo Gilmore Girls, e não é pouca coisa, mas calculei que levarei uns 2 meses para assistir tudo. Portanto, não vou assistir mais nada até terminar, a louca.

    Ah, eu gosto tanto de ir em feiras do livro! Pena que às vezes é extremamente lotado e nem dá pra aproveitar, por isso faz tempo que não vou à bienal. O legal é que muitas vezes tem umas promoções. EU CONHEÇO ESSE LIVRO DE RECEITAS DE GOT, TO QUERENDO MUITO AHAUHAUHA

    Essa questão do midia kit é meio complicada mesmo, mas as empresas sabem que estão sujeitas tanto a críticas negativas quanto positivas, a não ser que façam um contrato quando do pagamento proibindo críticas negativas (o que provavelmente não é opção porque deve ferir alguma lei). Sei lá, né.

    Ai, esses marcadores são uma graça! <3 Eu gosto de figures, mas não tenho coragem de gastar dinheiro com isso, acho tudo muito caro. ;-;

    NOSSA, EU CONCORDO COM VOCÊ! Acho livros com capa do filme muito feios, sério. HAUAUHA São duas coisas muito diferentes, eu prefiro aquelas capas bem estilizadas que já começam a imersão na imaginação que você terá ao ler.

    Nunca ouvi falar de BTOOOM!, mas o nome é meio esquisito, convenhamos. -q Mas gostei que o tema é sci-fi e psicológico e do fato de ser curtinho, adoro.

    Pela sinopse, me lembrou uma mistura de Lost com Sword Art Online (detalhe que não assisti nenhum deles -q) A história até me interessou, mas depois pela sua crítica acho que eu droparia ou ficaria decepcionada também. E fiquei com raiva dessa coisa da Himiko, cagaram tudo, né? Ela deveria ser super bem explorada, mas no fim parece que acabou sendo só o parzinho do protagonista. Enfim, talvez eu assista um dia, mas sem a mínima prioridade. :/

    Adoray o Kogami no final, dyvo, 2 beijos. ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Helo! \o/

      Eu até dei uma pausa nos animes para poder colocar essas séries em dia, haha! E da mesma forma que acontece com os animes, eu sempre acabo assistindo mais de uma série ao mesmo tempo. Mas essas ao menos tenho a desculpa de dizer que não são finalizadas, então no intervalo da espera por uma nova temporada, eu inicio uma nova série, e no intervalo da espera por uma nova temporada desse nova série, eu começo mais uma e assim perpetua o ciclo. HUAHSUASHUASH

      Eu estava dando altos surtinho lá quando encontrava certos livros. Mas né, não ter dinheiro complica. T_T

      Eu coleciono tem um tempo já. Minha coleção não é gigantesca, até porque, como você mesma disse, essas coisinhas não são baratas. Adoro quando consigo garimpar umas peças em um precinho super em conta. *_*

      Gente em capa de livro não desce, ainda mais se for livro de romance. Acho que os únicos livros que tenho na estante com pessoas na capa são "As Aventuras de Pi", "Um Amor para Recordar", "A Moreninha" e "As Vantagens de Ser Invisível".

      Pois é, me decepcionei com BTOOOM! E mais ainda com a personagem Himiko. Esperava muito mais dela, mas fazer o que, né? Para mim o anime não foi ruim, eu diria que razoável. No entanto, outras pessoas podem gostar. Para um anime de sobrevivência, foi até interessante. xD

      Kougami lindão, né?! hahaha

      Beijos!

      Excluir
  2. YOOOOO LADY O/

    Bem, eu não sou grande leitora, na verdade eu e livros não temos um relacionamento muito estável (apenas com os de veterinária que por motivos óbvios de estudo acabo lendo). Então, eu não sou grande conhecedora de feiras de livros e talls, mas nas vezes em que eu fui para talvez achar algo bacanudo quase morri com os preços... Tipo, são os mesmos preços que tu compra em lojas/livraria e/ou até mesmo mais caros =/ Mas, acredito que as palestras devem ter sido muito boas xD.. Ah, e nem me fale sobre livro de star wars, pois uns tempinhos atrás vi um que era tão lindo, mas tão lindo que ao invés de pendurar quadros de pintura, eu colocaria o livro pendurado!

    E sobre BTOOOM, eu também assisti o anime e também fiquei que nem tu! Tipo, a parada da ilha, sobrevivência, jogo, estratégia tava tudo bacanudo e muito bem feito... Porém, na hora de conectar os protagonistas e desenvolver o relacionamento deles parece que a coisa brotou meio do nada... Tipo, sei lá, essa parada deles terem se apaixonado perdidamente através do jogo... Por algum motivo isso não colou muito em mim. MAS, como boa surtada por romances eu AMEI ver o romance deles e o beijinho entre eles <3333333 Fazer o que!? Eu tenho esse fraco enorme por romances e por "boy magia ao resgate de sua amada"... Essas coisas bem purpurinadonas de shoujo xD

    Aliás, sobre a Himiko, por um lado eu não chego a questionar tanto assim o "donzela em perigo" dela, pois como ela teve aqueles problemas envolvendo homens, é normal que ela fique acuada e com medo, ou seja, que ela acabe mesmo não conseguindo se posicionar de maneira forte e independente.....MAAAAASSS, ainda assim, o anime pelo menos poderia ter então desenvolvido ela ao decorrer da história. Tipo, ela na ilha poderia ter aos poucos perdendo esse lado frágil e se tornado uma diva lacradora... Bem, aconteceu isso de fato...Mas, eles poderiam ter feito ela mais forte, impactante... Eu sinto como se eles tivessem deixado esse lado "donzela em perigo" para conseguirem meter o romance no meio '-'

    Enfim, foi um anime bacanudo, bom para ver ação e um romance de bônus.
    (p.s: esse anime me lembrou um pouco de lost '-')

    KOUGAMI LINDÃAAAOOO <3..... Porém, essa desgraça tinha que ter dado uns pegas na akane! u-u

    Kiss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Hina-chan! \o/

      Entendo, haha! Eu não posso ver aqueles livros lindões com capa dura que eu já quero comprar só pela capa (E se a capa for preta? OH MY SERENITY). Huashuashu

      Sobre BOOOOM!, eu achei as cenas de luta bem feitas, a animação estava muito boa. Acho que o anime só não foi totalmente satisfatório para mim, justamente por esse ponto de não conectar os personagens e desenvolver o relacionamento deles. Isso que você disse sobre a Himiko - sobre ficar acuada e com medo devido o que ela passou - eu concordo, mas, como você comentou, acho que poderiam ter desenvolvido ela melhor durante a história.

      SIIIIM, Kougami e Akane deveriam ter se pegado!!! u.u

      Beijo!

      Excluir